Pandemia: estudo cria hipótese para os novos casos de cetoacidose diabética e diabetes tipo 1 em crianças e adolescentes

A pesquisa foi conduzida em Ribeirão Preto e orientada por endocrinologista diretor da SBEM-SP

0
25

Estudo conduzido por pesquisadores de Ribeirão Preto avaliou o comportamento do Diabetes Mellitus Tipo 1 (DM1) durante a primeira onda de coronavírus na região e comparou os dados com períodos anteriores. “Relatos internacionais e a percepção do aumento de internações de crianças e adolescentes diabéticas nos motivaram a iniciar esse estudo”, comenta Dr. Sonir Antonini, endocrinologista da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo e orientador da pesquisa.

Após avaliação dos dados, a conclusão de hipótese dos autores é que o aumento da frequência e gravidade de novos diagnósticos de DM1 em vigência de cetoacidose diabética (CAD) grave de outubro de 2019 a fevereiro de 2020 foi 4O% contra 75% casos em 2020, no período inicial da pandemia. A associação do medo de contaminação e saturação dos atendimentos de urgência pode ter levado os pacientes procurarem atendimento médico apenas em fases mais avançadas dos sintomas, além da diminuição do acesso ao atendimento ambulatorial, onde os novos casos poderiam ser detectados antes da CAD.

Mais comum em pacientes com diabetes tipo 1 (DM1), a cetoacidose diabética é uma emergência médica, caracterizada quando os níveis de açúcar no sangue (glicose) estão muito elevados e acompanhados do aumento da quantidade de cetonas. Se essa condição não for tratada com urgência pode levar o paciente ao risco de morte. Durante o primeiro semestre de 2020, Alemanha, Itália e Inglaterra publicaram relatos de aumento do número de novos casos de cetoacidose diabética (CAD) e maior proporção de CAD grave. A Inglaterra também reportou aumento do número de casos novos de DM1.

No estudo de Ribeirão Preto, nas duas comparações, o número de casos novos de DM1 aumentou durante a pandemia. Para cada 1000 atendimentos de urgência foram 5,2 casos em abril-agosto de 2017 contra 9,9 casos no mesmo período em 2020. Entretanto, a maioria deles não teve infecção por coronavírus documentada. A relação entre doenças virais e o desencadeamento de autoimunidade, culminando em DM1, já foram descritos para diversos vírus e, recentemente, vêm sendo apontados como possível ligação entre o aumento de casos de DM1 e a pandemia atual.

“A hipótese é de que o vírus utilize receptores expressos no pâncreas para acessar as células pancreáticas, prejudicando a secreção de insulina e glucagon. O estabelecimento de uma possível relação entre infeção por SARS-CoV-2 e novos casos de DM1, se existente, depende ainda de longa e detalhada observação, com casuísticas adicionais para ser confirmado”, conclui Dr. Sonir.

Sobre a SBEM-SP
A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em Endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais doenças tratadas pelos endocrinologistas.

Fonte: NEWSLAB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


CAPTCHA Image
Reload Image