Uso do PROMIS para rastrear depressão em crianças com artrite idiopática juvenil

0
260

Yan e colaboradores publicaram na revista Pediatric Rheumatology, em novembro de 2020, um estudo avaliando o uso da ferramenta Patient Reported Outcomes Measurement Information System (PROMIS) para rastrear depressão em pacientes portadores de artrite idiopática juvenil (AIJ). Além disso, avaliaram as características demográficas, clínicas e outras particularidades que pudessem ter relação com maiores scores de sintomas depressivos.

Artrite idiopática juvenil

A AIJ é caracterizada pela presença de artrite crônica; o número de articulações acometidas e a presença de outros sintomas (como entesite, febre, rash cutâneo, entre outros) varia de acordo com o subtipo da doença. Crianças com AIJ têm maior risco de desenvolver sequelas articulares e, consequentemente, de apresentar deformidades e limitações ao longo da vida, com piora da qualidade de vida. Problemas relacionados à qualidade de vida incluem problemas emocionais (depressão, ansiedade, isolamento social), dor e pior funcionalidade física. Em um estudo, crianças com AIJ apresentaram 3 vezes mais distúrbios psiquiátricos do que o grupo controle, frequentemente depressão.

A qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) em crianças com artrite tem sido avaliada através de medidas baseadas em desfechos relatados pelo paciente, como aquelas que avaliam a funcionalidade física (Childhood Health Assessment Questionnaire/CHAQ e Juvenile Arthritis Functional Assessment Scale/JAFAS) e outras, como o PROMIS, que avaliam a funcionalidade física, a saúde mental e as interações sociais. Na fase piloto do estudo, foi constatado que algumas crianças apresentavam sintomas depressivos antes mesmo de expressarem esse sofrimento com os pais ou com a equipe médica.

Características do estudo

Para a realização do estudo, pacientes de 8 – 17 anos com diagnóstico de AIJ segundo os critérios da International League of Associations for Rheumatology (ILAR) responderam o questionário PROMIS em todas as consultas, no período de 2014 – 2017. Dados demográficos, de qualidade de vida e sobre as características da doença foram coletados no mesmo período.

Foram avaliados 148 pacientes, sendo 114 do sexo feminino (total de 435 visitas) e 34 do sexo masculino (118 visitas). Desses, 70 apresentavam oligoartrite persistente, 9 oligoartrite estendida, 19 artrite relacionada à entesite (ERA), 21 poliartrite com fator reumatoide (FR) negativo, 5 poliartrite com FR positivo, 11 artrite indiferenciada, 3 artrite psoriásica e 10 AIJ sistêmica.

Apresentaram relação com depressão os T-scores de gênero, de raça (homens e japoneses apresentavam menores T-scores), de número de articulações acometidas, de score de interferência da dor, e da avaliação global de atividade de doença do médico e do paciente (graduação em escala de 0 a 10 avaliando dor e atividade de doença na última semana). Nenhum subtipo específico de AIJ foi associado com os T-scores de depressão. Os domínios de QVRS estavam interrelacionados, e os pacientes que relataram sintomas depressivos tendiam a relatar também sintomas ansiosos. O PROMIS identificou 15 pacientes que não relataram sintomas depressivos, mas necessitaram ser encaminhados para aconselhamento, 8 não apresentaram sintomas depressivos até a 2ª ou 3ª consulta. Apenas 3 pacientes apresentaram surto da doença. Conflitos parentais e bullying foram mencionados por 7 pacientes durante entrevista com assistente social. Todos os 148 pacientes demonstraram preocupação em relação à AIJ.

Conclusão

Frente a esses resultados, o estudo concluiu que o PROMIS é uma ferramenta útil no rastreio de sintomas depressivos nos pacientes com AIJ, especialmente naqueles pacientes que não relatam esses sintomas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


CAPTCHA Image
Reload Image