Cloroquina não previne covid-19, aponta estudo

Um novo estudo concluiu que tomar cloroquina não previne a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus

0
531

Os cientistas da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, testaram se o medicamento, usado contra lúpus e malária, tinha esse efeito em 125 profissionais de saúde.

Os participantes foram divididos em dois grupos: 64 receberam cloroquina e 61 receberam placebo, por oito semanas.

Ao fim, foi constatado que não houve uma diferença significativa na proporção de pessoas que foram infectadas

Houve quatro casos em cada grupo, o que representou 6,3% dos voluntários que tomaram cloroquina e 6,6% daqueles que tomaram placebo

“Com isso, não podemos recomendar o uso rotineiro da hidroxicloroquina entre profissionais de saúde para prevenir a covid-19”, dizem os autores da pesquisa, que foi publicada nesta quinta-feira (30/9) no Jama Internal Medicine, periódico científico da Associação Médica Americana.

Os resultados do estudo não surpreendem, diz a infectologista Raquel Stucchi, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), porque reforçam outras evidências científicas obtidas até agora de que a hidroxicloroquina não é eficaz contra o coronavírus.

“Já tive muita esperança de que a cloroquina pudesse funcionar, mas isso não se provou com o passar dos meses, e esse estudo reafirma o que a gente já sabia. Mas é importante ter isso documentado cientificamente, porque uma coisa é um médico não receitar esse medicamento porque não gosta dele ou tem impressão de que não vai dar certo e outra é não fazer isso porque a ciência mostrou que não funciona”, afirma Stucchi.

Os autores do estudo ressaltaram ainda que os participantes que tiveram covid-19 não apresentaram sintomas ou tiveram só sinais leves da doença. Todos se recuperaram totalmente.

Os voluntários que tomaram cloroquina tiveram mais efeitos colaterais do que os que usaram placebo, especialmente diarreia (32% no primeiro grupo em comparação com 12% no segundo). Mas não houve reações graves.

O estudo foi encerrado antes de recrutar todos os 200 participantes previstos inicialmente, porque uma revisão dos resultados obtidos após a pesquisa passar de 100 voluntários já apontou a ineficácia da hidroxicloroquina para prevenir a covid-19.

De acordo com modelos matemáticos, mesmo que a pesquisa prosseguisse até o fim, esse resultado não seria alterado. Em casos assim, poderia ser considerado antiético prosseguir com a pesquisa, que foi então finalizada.

Estudo anterior chegou à mesma conclusão

Um estudo publicado em junho na revista científica The New England Journal of Medicine havia chegado ao mesmo resultado.

A pesquisa contou com a participação de 821 voluntários dos Estados Unidos e do Canadá que haviam entrado em contato com pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Os participantes tomaram o medicamento ou placebo por cinco dias após a exposição ao vírus. Segundo os autores do estudo, não houve uma diferença significativa entre a proporção de infectados nos dois grupos.

Os autores do novo estudo fazem referência a essa pesquisa e afirmam que uma das críticas feitas àquela investigação é que os voluntários começaram a tomar o medicamento de três a quatro dias após entrarem em contato com alguém que tinha o vírus.

Isso “gerou críticas de que o atraso no início do uso da hidroxicloroquina pode ter deixado passar uma janela biológica chave para prevenir a transmissão”, dizem os pesquisadores da Universidade da Pensilvânia.

Por isso, eles decidiram testar o uso da droga antes da exposição, mas também concluíram que ela não foi eficaz.

No entanto, fazem uma ressalva: “Dado o pequeno tamanho da amostra, não podemos descartar um pequeno efeito potencial profilático não detectado”.

Os cientistas também afirmam que os participantes eram saudáveis e relativamente jovens (com uma idade média de 33 anos) e que, por isso, os resultados obtidos não poderiam ser generalizados para toda a população, especialmente entre pessoas com idade mais avançada ou que têm outras doenças, que são em ambos os casos fatores de risco da covid-19.

“Também não podemos excluir a possibilidade de uma dose menor ou intermitente de hidroxicloroquina seja mais eficiente para a prevenção, embora investigações pré-clínicas com macacos não tenham encontrado diferenças na atividade antiviral com diferentes dosagens”, dizem os autores.

“Testes de profilaxia em curso serão importantes para abordar essas limitações.”

Fonte: BBC News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


CAPTCHA Image
Reload Image