Conheça as novas tecnologias médicas que estão chegando para mudar o mundo e salvar vidas

0
164
MIT desenvolve pílula de insulina que pode substituir injeções diárias

Novas tecnologias estão a todo momento causando grande avanço na área médica, e essas ferramentas possuem um enorme potencial para conter surtos, controle de infeccções e inclusive dar suporte no fornecimento de suprimentos para salvar vidas em regiões carentes e remotas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) retrata que mais de 1 bilhão de pessoas são afetadas pelas chamadas doenças tropicais negligenciadas (DTN’s) e causam prejuízo todos os anos bilhões de dólares para os países em desenvolvimento.

Populações em pobreza, que são expostas diretamente aos vetores dessas doenças e sem saneamento básico são as mais atingidas por esses males, que em condições tropicais são predominantes.

Em acréscimo a esse cenário, infecções virais que haviam sido praticamente aniquiladas há um século, como sarampo e tuberculose, estão reaparecendo novamente. Enquanto isso, doenças mais ordinárias e sucetíveis à tratamento causam milhares de mortes que poderiam ser evitadas todo ano— como o vírus da gripe, por exemplo.

A OMS alerta sobre uma leva de drogas falsificadas para leucemia em circulação pelas Américas e pela Europa. Médicos rastreram vestígios de ingredientes do Viagra e até mesmo ecstasy em medicamentos supostamente antimaláricos.

O mercado de drogas legalizadas é superior ao de narcóticos ilegais, isso atraiu a atenção dos traficantes; e quando não há recuperação dos pacientes após o uso de um remédio adulterado, os médicos normalmente apontam para a doença, e não para o medicamento.

Agora, cientistas da IBM que estão desenvolvendo âncoras criptografadas, impressões digitais adicionados aos produtos e conectadas em um blockchain, banco de dados descentralizado que é muito utilizado para registrar transações, que garantem a autencidade do medicamento.

Essa âncora menor que um grão de areia, pode assumir variadas formas— por exemplo, um código óptico alocado em uma cápsula que permite a distinção de medicamentos falsos, quase da mesma maneira utilizada para identificar diamentes verdadeiros.

Incorporar as âncoras à uma tinta magnética ingerível, é uma forma estudada pelos pesquisadores, isso poderia ser utilizado para revestir comprimidos antimaláricos. O código ficaria visível quando em contato com água, isso garantiria para os consumidores a autenticidade das pílulas.

Sendo altamente seguras, as âncoras fornecem aos pacientes, médicos e demais profissionais do setor uma segurança adicional já que os códigos de identificação não podem ser duplicados ou copiados. Visto que o cenário farmacêutico está cada vez mais fraudulento, essa inovação poderá ser um grande avanço para uma melhora na qualidade de vida das pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


CAPTCHA Image
Reload Image